Você deve investir em imóveis ou ações – ou ambos?

Muitos investidores tradicionalmente se voltam para o mercado de ações como um lugar para colocar seus dólares de investimento. Embora as ações sejam uma opção de investimento bem conhecida, nem todo mundo sabe que comprar um imóvel também é considerado um investimento. Nas circunstâncias certas, os imóveis podem ser uma alternativa às ações, oferecendo menor risco, gerando melhores retornos e proporcionando maior diversificação.

Seja planejando a aposentadoria, economizando para um fundo de faculdade ou ganhando uma renda residual, os indivíduos precisam de uma estratégia de investimento que se ajuste a seu orçamento e necessidades. Comparar um investimento imobiliário com a compra de ações é um bom ponto de partida.

Fonte de reprodução: getty imagens

Visão geral: imóveis vs. ações

Investir em imóveis ou ações é uma escolha pessoal que depende de sua situação financeira, tolerância ao risco, objetivos e estilo de investimento. É seguro presumir que mais pessoas investem no mercado de ações, talvez porque não leve tanto tempo ou dinheiro para comprar ações. Se você está comprando um imóvel, terá que economizar e investir uma quantia substancial de dinheiro. Quando você compra ações, você compra um pequeno pedaço dessa empresa. Em geral, você pode ganhar dinheiro de duas maneiras com ações: valorização à medida que as ações da empresa aumentam e dividendos.

Quando você compra um imóvel, você adquire um terreno ou propriedade física. A maioria dos investidores imobiliários ganha dinheiro cobrando aluguéis (que podem fornecer um fluxo de renda estável) e por meio da valorização, conforme o valor da propriedade aumenta. Além disso, como os imóveis podem ser alavancados, é possível expandir seus ativos, mesmo que você não possa pagar à vista. Para muitos investidores em potencial, o mercado imobiliário é atraente porque é um ativo tangível que pode ser controlado, com o benefício adicional da diversificação. Os investidores imobiliários que compram propriedades possuem algo concreto pelo qual podem ser responsáveis. Observe que os fundos de investimento imobiliário (REITs) são uma forma de investir em imóveis e são comprados e vendidos como ações.

Fonte de reprodução: getty imagens

Imobiliária

Aqui estão algumas coisas a serem consideradas quando se trata de imóveis e os riscos associados a eles. O risco mais importante que as pessoas perdem é que os imóveis exigem muita pesquisa. Não é algo que você possa fazer casualmente e esperar resultados e retornos imediatos. O mercado imobiliário não é um ativo facilmente liquidado e não pode ser sacado rapidamente. Isso significa que você não pode sacá-lo quando estiver em apuros. Para casa flippers ou aqueles que possuem propriedades de aluguer, existem riscos que vêm com a manipulação de reparos ou gestão de aluguéis. Alguns dos principais problemas que você encontrará são os custos, sem mencionar o tempo e a dor de cabeça de ter que lidar com inquilinos. E você pode não conseguir adiá-los se houver uma emergência. Como investidor, você pode querer e precisar contratar um empreiteiro para lidar com os reparos e reformas do seu flip, ou um gerente de propriedade para supervisionar a manutenção do seu aluguel. Isso pode afetar seus resultados financeiros, mas reduz o tempo gasto na supervisão de seu investimento.

Fonte de reprodução: getty imagens

Stocks

O mercado de ações está sujeito a diversos tipos de risco: riscos de mercado, econômicos e inflacionários. Primeiro, os valores das ações podem ser extremamente voláteis e seus preços sujeitos às flutuações do mercado. A volatilidade pode ser causada por eventos geopolíticos e específicos da empresa. Digamos, por exemplo, que uma empresa tenha operações em outro país, essa divisão estrangeira está sujeita às leis e regras desse país.

Mas se a economia desse país tiver problemas, ou quaisquer problemas políticos surgirem, as ações dessa empresa podem ser prejudicadas. Os estoques também estão sujeitos ao ciclo econômico, bem como à política monetária, regulamentações, revisões fiscais ou mesmo mudanças nas taxas de juros estabelecidas pelo banco central de um país. Outros riscos podem advir do próprio investidor. Os investidores que optam por não diversificar suas participações também estão se expondo a um risco maior.

FONTE: https://www.estadao.com.br/mais-lidas